Mensagem do presidente do Conselho Geral do CNOP

Orlando Monteiro da SilvaO Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) é uma estrutura de cúpula que agrupa, numa plataforma comum, os bastonários de 16 ordens profissionais representando cerca de 300 mil profissionais. Estas profissões são, em Portugal e na UE, pela sua relevância estratégica para a sociedade, especialmente reguladas pelo Estado.

Têm constituído exemplos de suas preocupações a defesa da qualidade e certificação do exercício profissional, a adequação da sua prática às exigências da sociedade, a implementação do Processo de Bolonha. Refira-se a este último propósito, a Petição Pública, patrocinada pelo CNOP, que reuniu mais de 50 mil assinaturas, propondo à Assembleia da República a discussão da equiparação de títulos académicos pré e pós Bolonha.

Vivemos como é sabido um momento muito especial em Portugal, na Europa e no Mundo. Estes tempos difíceis exigem flexibilidade e abertura mental para se fazerem coisas de uma forma diferente.

A situação que atravessamos em termos socioeconómicos, o momento político, a imagem que transmitimos em termos internacionais, enfim, o futuro do país, devem merecer uma atenção central por parte do CNOP. Este Conselho deve ter na sua agenda não só temas de interesse específico para as profissões nele representadas, mas também a análise da situação do país, o “pensar” construtivamente Portugal.

Os profissionais representados constituem um grupo qualificado na sociedade portuguesa e têm o dever, a obrigação, de propor soluções e de conceber caminhos para as atingir, criando valor efectivo.

No nosso ADN, está a defesa do interesse público. Com autonomia e independência. Daí não nos desviaremos, evidenciando esta nossa característica diferenciadora face aos agentes políticos e a alguns grupos de pressão da sociedade portuguesa.

Portugal tem de poder contar com um contributo excepcional, adicional, qualificado, independente, das profissões reguladas e liberais, neste momento de adversidade.

Mais que isso, pede-se às Ordens Profissionais capacidade para, juntamente com outros sectores da sociedade civil – universidades, centrais sindicais, sector social, associações industriais e empresariais, entre outras formas de organização – contribuírem, no sentido de mobilizar o país, para os valores do trabalho, do mérito, da prosperidade, da felicidade, da verdade.

Com Altruísmo. Sem Corporativismos.

Orlando Monteiro da Silva
Presidente do Conselho Geral do CNOP
Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas