CNOP – Grupo de Trabalho no Âmbito dos Riscos Psicossociais

O tempo actual impõe novos e maiores desafios à sustentabilidade das organizações que, aliados a mudanças no universo laboral determinam maiores fatores de risco para a saúde psicológica. Numa análise às exigências do teletrabalho – nova realidade pós-pandemia para milhões de pessoas em todo o mundo – podemos considerar a falta de recursos e condições necessárias, a sensação de isolamento, a fusão entre a vida pessoal e laboral, a árdua tarefa de desligar completamente das tarefas laborais, apenas algumas das dificuldades que daí resultam. Estes aspetos levantam a questão sobre “Como podem as organizações ser sustentáveis?

A promoção da Agenda do Trabalho Digno e Proteção Social Inclusiva – que prevê o desenvolvimento de uma Estratégia Nacional para o Futuro do Trabalho no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) – e a aprovação do Livro Verde do Trabalho assumem, no âmbito das políticas públicas, um momento de viragem para as pessoas, pois só poderemos recuperar a economia se recuperar- mos as pessoas.

O CNOP – que agrega, à data, 17 Ordens Profissionais, representando cerca de 471.000 profissionais – reúne representatividade de múltiplas disciplinas em toda a economia, o que levanta a urgente necessidade de consideração do seu bem-estar para o desenvolvimento da sua atividade e para o respetivo impacto nas organizações onde ou para as quais trabalham. Esta representatividade desperta para o potencial do trabalho articulado no seio do CNOP, no sentido de melhorar o funcionamento e a produtividade das organizações, bem como a produção de riqueza e economia do país.

Consulte o documento integral CNOP – Grupo de Trabalho no Âmbito dos Riscos Psicossociais (pdf).